Pintura de Observação configura a atividade de reprodução de cenas assim como podem ser  observadas naturalmente, sendo uma prática historicamente marcada pelo estudo de modelos vivos e paisagens. Em meu trabalho utilizo do termo para pensar ilustrações e pinturas que possuem como base visual imagens digitais, reproduzindo e reconfigurando seus aspectos formais e simbólicos.

Ao recriar imagens que partem de um modelo digital, questões a cerca da originalidade da imagem são tidas como elementos a serem explorados em sua reconfiguração. Uma imagem digital pode ser incontavelmente reproduzida em seu formato original, enquanto a recriação manual sempre apresentará uma singularidade. No entanto, as características singulares da manipulação podem se fazer presentes também por meio de uma pintura digital, o que implica considerar nesse processo os aspectos próprios dos materiais utilizados  na criação de novas imagens.

Iniciei meus estudos em torno dessa prática recriando fotografias de cenas arquitetônicas, vistas de janelas em contextos urbanos, corredores e  escadarias. O trabalho com cenas comuns, nesse caso, direciona o estudo pictórico em meio ao mecanicismo  e automatização da linguagem, evidenciando as características próprias dos meio em que são propagadas. Os primeiros estudos realizados foram feitos com tinta gouache sobre tela, permitindo o trabalho em camadas de cores diluídas.

 

…existe um comprometimento em ser algo, mesmo fragmentado, mesmo incompleto.